Um panorama do saneamento básico em 5 pontos
12/11/2021
Geral.

Um panorama do saneamento básico em 5 pontos

O Novo Marco Legal do Saneamento Básico completou um ano da sanção pelo Presidente Jair Bolsonaro. Ele foi aprovado com o objetivo de universalizar os serviços até 2033 e trouxe  diversas mudanças para atingir a meta. 

Para entender o panorama atual do Saneamento Básico no Brasil, trazemos 5 pontos que perpassam por algumas das principais questões do abastecimento de água e esgotamento sanitário no Brasil.

Leia também: O que é Saneamento Básico e como aprimorá-lo em meu município


Índices de acesso ao Saneamento Básico por zona

Não é novidade que milhões de brasileiros ainda não são atendidos por abastecimento de água  adequado e esgotamento sanitário.  

De acordo com o Painel Saneamento Básico, em 2019, 16,3% da população brasileira não tinha  acesso à água tratada e 45,9% não tinha acesso à coleta de esgoto. A falta de acesso aos serviços  acontece principalmente no Norte e Nordeste do país, e é muito desigual entre os domicílios da  zona urbana e zona rural. 

Como mostra o Censo Demográfico de 2010 do IBGE, poucos domicílios da zona rural eram  atendidos por abastecimento de água e coleta de esgoto adequado. 

Em 2010, 79% dos domicílios brasileiros possuíam acesso à água por rede geral na zona urbana,  mas apenas 4% dos domicílios rurais. Quanto ao esgotamento sanitário por rede, 55% dos  domicílios urbanos brasileiros possuíam acesso, mas menos de 1% dos localizados em zona rural tinham esgotamento sanitário adequado.

Um panorama do saneamento básico em 5 pontos

Perda da água na distribuição

Muitas pessoas ainda não possuem acesso à rede de abastecimento de água, principalmente à população que reside na zona rural.  Mas, um dado também muito importante e problemático no panorama atual é a quantidade de  água perdida no processo de distribuição do abastecimento das águas.  

Todos já ouvimos que precisamos economizar água. Apesar da importância de fazer a nossa  parte, esse problema é muito mais amplo e precisa ser resolvido desde antes da água chegar na  nossa casa.

Em junho de 2020, o Instituto Trata Brasil publicou um estudo sobre as perdas de água no Brasil, a partir de dados de 2018 do SNIS1, que mostra a ineficiência do sistema de abastecimento.  São consideradas perdas acontecimentos como vazamento, consumos não autorizados e erros  na medição, e, segundo estudo, essas perdas vêm aumentando anualmente desde 2014,  chegando a 38,5% em 2018. 

Essa ineficiência também gera perdas nos faturamentos. Em 2018 a perda de faturamento do  Brasil foi maior que a média dos países desenvolvidos. 


Tratamento do esgoto

A ineficiência também acontece no serviço de esgotamento sanitário. Muitas pessoas ainda não são atendidas pelo serviço de coleta de esgoto, mas menos ainda pelo tratamento do esgoto coletado.

O Instituto Brasil traz em suas estatísticas, o aumento do número de municípios com serviço de esgotamento sanitário adequado entre 1989 (47,3% dos municípios) e 2017 (60,7%). Entretanto, menos da metade do esgoto coletado no país é tratado. Esse resto, acaba indo parar em rios, reservatórios de água etc, acarretando inclusive em problemas muitos de saúde.

Como o alcance dos serviços de distribuição, o tratamento de esgoto possui diferenças regionais muito altas: A região do Brasil que teve maior índice de tratamento foi Centro-Oeste (com 56,8%) e o de menor número foi Norte (apenas 22% de tratamento)


Prestadores do serviço

Uma das mudanças que o Novo Marco Legal do Saneamento traz é a obrigatoriedade de  licitações para contratação dos serviços de saneamento. A legislação anterior previa que empresas públicas podiam ser diretamente contratadas, mas  empresas privadas também eram contratadas por meio de concessões. 

Os chamados leilões já começaram a ser realizados no país – por exemplo da CEDAE-RJ. Mas até 2017, a maioria dos prestadores de serviço eram esferas públicas. 

Podcast Coisa Pública: Novo Marco pode universalizar o saneamento básico no Brasil

Segundo IBGE, a participação das empresas privadas no setor em 2017 acontecia em menor número. 835 dos 5.517 municípios com abastecimento de água eram realizados por prestadores de serviço de esfera privada. Já dos 3.206 municípios com serviço de esgotamento sanitário, apenas 126 possuíam a esfera privada como prestador de serviço.


Investimentos no setor de saneamento básico

Para melhorar os índices e eficiência dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário, é preciso investimento no setor. Todavia, estudo feito pelo Instituto Brasil e GO Associados evidenciou que 24 das 27 UFs precisam aumentar o investimento no setor para se chegar à meta de universalização do Novo Marco Legal.

O estudo ainda mostra que entre 2014 e 2018, os investimentos em água e esgoto diminuíram 7,1% e 30,9%, respectivamente. O investimento no setor, portanto, mostra-se como um grande desafio histórico, que precisará ser superado a fim de melhorar os índices de acesso a serviços essenciais à população.

Veja também: Plataforma do Saneamento do CLP

Compartilhe esse artigo


Marina Bozzetto é mestranda em Ciência Política e bacharel em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo. Tem experiência na iniciativa privada com análise de pesquisas na área Socioambiental. No mestrado, desenvolve estudos na área de política de saneamento básico, políticas públicas urbanas e desigualdade.

Notícias Relacionadas

como-melhorar-a-confianca-atraves-das-novas-formas-de-comunicacao

Como melhorar a confiança através das novas formas de comunicação?

por Luiz Octavio Pera Mazza

Hoje temos novos mecanismos de influência da opinião pública, intermediados pela tecnologia e pelas redes sociais, um fenômeno que o professor da Fundação Getulio Vargas, Marcelo Coutinho, chama de "declínio do…

Ler mais
diversidade-na-politica-como-apoiar-e-modificar-o-perfil-ao-definir-os-rumos-do-pais

Diversidade na política: Como apoiar e modificar o perfil ao definir os rumos do país?

por Aline Miranda

Quando tratamos sobre o assunto da Diversidade no setor público, muitos questionamentos podem ser acionados e muitas dúvidas também: Afinal, como contemplar a diversidade na política e no setor público?…

Ler mais
pacto-federativo-a-divisao-de-responsabilidades-na-gestao-publica

Pacto Federativo: A divisão de responsabilidades na gestão pública

por Marcelo Milko

O Brasil possui uma infinidade de responsabilidades que muitas vezes precisam ser desempenhadas em conjunto com municípios, estados e com o governo federal, seja de maneira exclusiva, complementar ou concorrente.…

Ler mais
como-melhorar-a-confianca-atraves-das-novas-formas-de-comunicacao

Como melhorar a confiança através das novas formas de comunicação?

por Luiz Octavio Pera Mazza

Hoje temos novos mecanismos de influência da opinião pública, intermediados pela tecnologia e pelas redes sociais, um fenômeno que o professor da Fundação Getulio Vargas, Marcelo Coutinho, chama de "declínio do…

Ler mais
diversidade-na-politica-como-apoiar-e-modificar-o-perfil-ao-definir-os-rumos-do-pais

Diversidade na política: Como apoiar e modificar o perfil ao definir os rumos do país?

por Aline Miranda

Quando tratamos sobre o assunto da Diversidade no setor público, muitos questionamentos podem ser acionados e muitas dúvidas também: Afinal, como contemplar a diversidade na política e no setor público?…

Ler mais
pacto-federativo-a-divisao-de-responsabilidades-na-gestao-publica

Pacto Federativo: A divisão de responsabilidades na gestão pública

por Marcelo Milko

O Brasil possui uma infinidade de responsabilidades que muitas vezes precisam ser desempenhadas em conjunto com municípios, estados e com o governo federal, seja de maneira exclusiva, complementar ou concorrente.…

Ler mais

Junte-se ao CLP

Escreva seu email e receba nossa newsletter


    Siga o CLP

    Siga nossas redes sociais e fique informado