Por que é importante discutir o semipresidencialismo no Brasil?
11/11/2021
Geral.

Por que é importante discutir o semipresidencialismo no Brasil?

Nos últimos meses, o debate sobre o semipresidencialismo está movimentando a política nacional, a mudança do presidencialismo para o semipresidencialismo representaria uma tentativa de solucionar a longa crise política brasileira que se arrasta desde o governo de Dilma Rousseff, mas será que você conhece o suficiente sobre o tema?

O objetivo deste artigo é analisar o sistema de governo que o presidente da república divide poderes com um primeiro-ministro, escolhido junto com o legislativo.


O que é o semipresidencialismo?

Características do semipresidencialismo


O semipresidencialismo é um sistema de governo híbrido caracterizado por possuir aspectos do presidencialismo e do parlamentarismo. O presidente é o chefe de estado, responsável pela defesa nacional e a política externa, enquanto o primeiro-ministro é o chefe de governo, responsável pelo dia a dia e as negociações com o Congresso. França e Portugal são países que adotaram o sistema semipresidencialista.

No sistema semipresidencialista, o presidente da república, eleito pelo voto popular e direto, indica o primeiro-ministro, que ainda necessita ser aprovado por maioria absoluta no Congresso Nacional. Dessa maneira, legislativo e executivo são “sócios” no sucesso ou no fracasso.

Em momentos de crise ou instabilidade política, o presidente pode dissolver o parlamento e convocar novas eleições para a formação de um novo governo.

O primeiro-ministro tem a função de nomeação de ministros e, junto com a equipe ministerial, é o responsável pela gestão pública federal.

As atribuições do presidente e do primeiro-ministro

Por que é importante discutir o semipresidencialismo no Brasil?

Pontos positivos e negativos do sistema no Brasil

Pontos positivos

Pontos negativos


Presidencialismo x Semipresidencialismo

Em um primeiro momento, o semipresidencialismo pode parecer um enfraquecimento do presidente da república, pois há uma divisão dos poderes do executivo. Contudo, a presença da figura do primeiro-ministro funcionaria como uma espécie de “anteparo” ao presidente. Dessa maneira, o primeiro-ministro protegeria o presidente de desgastes políticos e de crises, deixando o chefe de estado apenas com as suas prerrogativas.

Por que é importante discutir o semipresidencialismo no Brasil?

Do ponto de vista das relações internacionais, este efeito é muito importante, pois não representaria ameaça à segurança nacional e possibilitaria a continuidade de uma linha de política externa.

A possibilidade do presidente poder dissolver o Congresso seria outro sinal de fortalecimento, porque no presidencialismo, o presidente além de não poder dissolver as Casas Legislativas, é sempre “refém” da sombra do impeachment, especialmente no Brasil. Outro ponto interessante é o maior envolvimento do Congresso Nacional na condução dos assuntos internos do país.

Quem nunca ouviu falar no “Centrão”? Pois é, imaginem o “Centrão”, se responsabilizando e sendo responsabilizados pelo fracasso ou sucesso de uma política pública? Não haveria mais embarque ou desembarque do “Centrão”, em nenhum governo, pois eles seriam o governo. Não haveria mais “orçamento secreto” ou tratoraço. Pois, eles aos olhos da população seriam o governo e não mais “governistas”, no Congresso Nacional.


Conclusão

O Brasil possui um sistema de governo presidencialista, ou seja, um sistema que centraliza as atribuições de estado e de governo na figura do presidente da república. A discussão sobre um novo sistema de governo aparece como uma forma de superarmos as constantes crises políticas que o país vive desde o impeachment de Dilma Rousseff, em 2016.

O chamado presidencialismo de coalizão parece ter chegado ao seu limite e o espaço para a realização de avanços no presidencialismo pode ter ficado para trás. Claro, ainda é muito cedo, ou até prematuro decretar o fim do sistema presidencialista, mas as contradições só aumentam. Apesar da vontade de lideranças políticas e de importantes membros do judiciário, a mudança valeria apenas para 2026. A mudança no sistema de governo depende de alteração constitucional (PEC) e, consequentemente, demandaria adesão da maioria do Congresso Nacional para ser aprovada.

Podemos a partir dessas duas afirmações levantar duas perguntas:

  1. Quem seria o principal interessado na mudança?
  2. E, quem irá liderar e articular a mudança no Congresso Nacional? O executivo ou legislativo?

Para concluir, é muito difícil especular se o semipresidencialismo será “bala de prata” brasileira na resolução das nossas crises políticas crônicas, porém a inércia não é mais uma opção.

Leia também: Pork Barrel, a criação de redutos eleitorais e a necessidade de uma reforma política

Compartilhe esse artigo


Fernando Porto Lima

Notícias Relacionadas

como-melhorar-a-confianca-atraves-das-novas-formas-de-comunicacao

Como melhorar a confiança através das novas formas de comunicação?

por Luiz Octavio Pera Mazza

Hoje temos novos mecanismos de influência da opinião pública, intermediados pela tecnologia e pelas redes sociais, um fenômeno que o professor da Fundação Getulio Vargas, Marcelo Coutinho, chama de "declínio do…

Ler mais
diversidade-na-politica-como-apoiar-e-modificar-o-perfil-ao-definir-os-rumos-do-pais

Diversidade na política: Como apoiar e modificar o perfil ao definir os rumos do país?

por Aline Miranda

Quando tratamos sobre o assunto da Diversidade no setor público, muitos questionamentos podem ser acionados e muitas dúvidas também: Afinal, como contemplar a diversidade na política e no setor público?…

Ler mais
pacto-federativo-a-divisao-de-responsabilidades-na-gestao-publica

Pacto Federativo: A divisão de responsabilidades na gestão pública

por Marcelo Milko

O Brasil possui uma infinidade de responsabilidades que muitas vezes precisam ser desempenhadas em conjunto com municípios, estados e com o governo federal, seja de maneira exclusiva, complementar ou concorrente.…

Ler mais
como-melhorar-a-confianca-atraves-das-novas-formas-de-comunicacao

Como melhorar a confiança através das novas formas de comunicação?

por Luiz Octavio Pera Mazza

Hoje temos novos mecanismos de influência da opinião pública, intermediados pela tecnologia e pelas redes sociais, um fenômeno que o professor da Fundação Getulio Vargas, Marcelo Coutinho, chama de "declínio do…

Ler mais
diversidade-na-politica-como-apoiar-e-modificar-o-perfil-ao-definir-os-rumos-do-pais

Diversidade na política: Como apoiar e modificar o perfil ao definir os rumos do país?

por Aline Miranda

Quando tratamos sobre o assunto da Diversidade no setor público, muitos questionamentos podem ser acionados e muitas dúvidas também: Afinal, como contemplar a diversidade na política e no setor público?…

Ler mais
pacto-federativo-a-divisao-de-responsabilidades-na-gestao-publica

Pacto Federativo: A divisão de responsabilidades na gestão pública

por Marcelo Milko

O Brasil possui uma infinidade de responsabilidades que muitas vezes precisam ser desempenhadas em conjunto com municípios, estados e com o governo federal, seja de maneira exclusiva, complementar ou concorrente.…

Ler mais

Junte-se ao CLP

Escreva seu email e receba nossa newsletter


    Siga o CLP

    Siga nossas redes sociais e fique informado