O desafio do advocacy socioambiental na pandemia à brasileira
22/07/2021
Geral.

O desafio do advocacy socioambiental na pandemia à brasileira

O trabalho de incidência legislativa no Congresso Nacional para as temáticas relacionadas à defesa dos direitos socioambientais, no Brasil, nunca foi tarefa fácil. As organizações da sociedade civil, respaldadas e legitimadas pelos movimentos sociais, sempre enfrentaram obstáculos nebulosos no que se refere ao advocacy socioambiental e o processo de diálogo nas salas frias em Brasília, com os parlamentares e suas equipes de assessoria.

Entretanto, a pandemia da Covid-19 e a gestão intencionalmente prejudicial à vida da população, coordenada pelo governo federal, abriu espaço para que projetos de lei que violam direitos humanos básicos e fundamentais passassem para as devidas aprovações sem diálogo com a sociedade civil. Com isso, novas alternativas de mobilização e denúncia precisaram ser criadas, e com pouco tempo de intervalo entre uma denuncia e outra, dentro de nossas casas tivéssemos que acionar as redes de apoio, os assessores parlamentares, a população conectada nas redes sociais e as bancadas pouco convidativas de Brasília que permaneciam com o mesmo ar conflituoso, ainda que esvaziada de representantes da sociedade civil.


Atuais projetos em debate

De minha casa, na periferia da zona leste da cidade de São Paulo, vivenciei o processo de incidência coletiva junto à uma rede de organizações sobre o projeto de Lei Geral do Licenciamento Ambiental (PL 3729/2004), que em linhas gerais flexibiliza licenciamentos ambientais com baixa segurança atentando contra os direitos dos povos tradicionais e retirando possibilidades da sociedade brasileira trilhar um caminho do desenvolvimento sustentável, previsto constitucionalmente. A cada e-mail enviado para parlamentares, a cada tentativa de contato telefônico e pressões via redes sociais havia um sentimento que percorria à todos nós, espalhados em diferentes casas ao redor do país, de que as mensagens não chegariam ao terreno de Brasília, e que a razão não era o coronavírus em si e os protocolos de segurança exigidos em decorrência da pandemia, mas a utilização desse fato enquanto espaço para excluir a participação social e o debate público por parte da máquina política institucional.

Retrocessos ambientais e o impacto na garantia de direitos humanos em estados e municípios

Junto a esse projeto, outra proposta legislativa nos exigiu esforços, em diferentes frentes, e que afetavam diretamente o direito à existência das populações indígenas. O Projeto de Lei (PL) 490/2007 se utilizou da tese do “marco temporal” em discussão a partir da ADPF 709/2020 para alargar brechas inconstitucionais que, em suma, sugerem uma série de alterações nas regras de demarcação de terras indígenas e em outras questões envolvendo o Estatuto do Índio, prejudicando direta e indiretamente as possibilidades de existência dos povos indígenas no país.
Para essa última proposta legislativa, para além das manifestações rotineiras de incidência parlamentar, aconselhamentos técnicos às casas legislativas e manifestações via redes sociais buscando apoio da sociedade civil, um Levante pela Terra foi mobilizado nos territórios conflituosos de Brasília. Assim, povos indígenas de diversas partes do país se deslocaram para a capital política do país buscando visibilizar suas lutas contra um retrocesso que pode mudar completamente as rotinas de vida dos povos originários. Nessa mobilização para além de sofrerem com o descaso do Congresso Nacional que acabou por aprovar o projeto na comissão legislativa mais importante da casa – a CCJC – tais lideranças indígenas também foram submetidas à fortes repressões policiais e distorções narrativas por parte de lideranças governistas que se articulavam para reduzir a relevância da pauta.

Nesse sentido, do lugar em que ocupamos enquanto organização que defende os direitos humanos, nos coube apoiar as mobilizações, articular denúncias internacionais, e utilizar de todos os instrumentos de denúncia e de advocacy socioambiental para barrar o retrocesso. E de meu lugar particular enquanto uma jovem negra que vive na periferia urbana da cidade de São Paulo, sendo assim, afastada da vida cotidiana dos povos indígenas, mas que trabalha na defesa dos direitos socioambientais o que fica e circula por entre os espaços que ocupo é o sentimento de claustrofobia de quem vê da janela de casa o retrocesso socioambiental e a violação de direitos humanos avançar em rapidez assustadora tal como a fome, o desemprego, a precarização do trabalho e o avanço do racismo em todas as suas faces.

O papel do cidadão frente aos retrocessos ambientais


A importância do diálogo legislativo e o advocacy socioambiental

Os retrocessos socioambientais descritos acima trazem mais elementos para o caminho já traçado e denunciado de necropolítica e genocídio arquitetado pelo Brasil oficial, pela política institucional em suas diferentes esferas. E se em algum momento da história passada foi mais possível incidir no Congresso Nacional para barrar retrocessos, traçar pareceres técnicos para incidir por sobre o Poder Judiciário e articular denúncias com organismos internacionais que causasse pressão sobre o Brasil; hoje, pela rapidez com que essas ações se mostram paliativas e pouco eficazes de maneira isolada, nos prova que nossas estruturas sempre serão frágeis. E tal fragilidade precisa ser lida como tal, para que possamos encontrar nas brechas de sobrevivência dos povos marginalizados, na resistência indígena e quilombola, nas estratégias de luta e articulação dos povos negros nas periferias urbanas, ferramentas ancestrais que complementem nossas lutas de hoje.

Mais do que esperar tecnologias de um futuro que continuará passando pelo crivo dos mesmos detentores do poder, precisamos buscar as tecnologias do passado ancestral dos povos originários, e conectá-las com os saberes das periferias urbanas, dos territórios quilombolas, das lideranças rurais, para que assim, pontes sólidas sejam construídas entre todas as pequenas brechas insurgentes.

No fundo, o que se precisa transformar dentro da incidência política diante à pandemia, não é apenas o seu modus operandi em si, mas de maneira mais profunda, é a sua verdadeira validade formal nos espaços que se dizem democráticos mas que, na primeira brecha encontrada, mina com as possibilidades de diálogos com as vozes da sociedade civil. É necessário que, para além de visibilizar a ineficiência dos mecanismos de participação que estavam sob nosso direito, nos coloquemos a favor de mudanças radicais nas estruturas participativas atuais. Que levem em conta a visibilidade direta dos povos atingidos pelos retrocessos, para que esses nos apontem como fazer o Brasil que vem dessas brechas que nós protegemos e defendemos se torne o Brasil oficializado na política institucional, novamente, como pode ter sido iniciado em momentos mais democráticos.

Resposta para o aumento do desmatamento na Amazônia pode vir do Congresso Nacional: conheça o PL do Desmatamento Zero

Compartilhe esse artigo


Thaynah Gutierrez Gomes tem 22 anos, e é nascida e criada no extremo leste da cidade de São Paulo, Ermelino Matarazzo. Administradora pública pela Fundação Getúlio Vargas (FGV-EAESP) atua na Conectas Direitos Humanos enquanto assessora de projetos e voluntariamente enquanto gestora da Embaixada Politize! em São Paulo levando educação política para escolas e espaços comunitários periféricos. Pesquisa sobre o funk consciente enquanto parte da ancestralidade musical negra e se utiliza de saberes anticoloniais e afrocentrados para fundamentar suas pesquisas.

Notícias Relacionadas

Ranking de Competitividade: A importância de políticas públicas baseadas em dados e evidências

por Inteligência Técnica

1. INTRODUÇÃO Dados e evidências são insumos essenciais para um melhor aproveitamento do ciclo de políticas públicas, pois estes guiam a ação governamental e permitem a comparação em diversos aspectos…

Ler mais

Experiência Internacional na Finlândia e Estônia

por gabriel.diniz

A turma 7 do MLG - Master em Liderança e Gestão Pública embarcou para a Finlândia e Estônia, em agosto de 2022, para uma missão internacional que promoveu um mergulho…

Ler mais
o-estado-de-bem-estar-social-as-tres-economias-do-welfare-state

O Estado de Bem-Estar Social: As três economias do Welfare State

por Ruan dos Santos Ferreira

O Estado é provedor de proteção social para a população, contudo, ele também as estratifica, a partir do momento que as pessoas precisam de amparo do Governo e submetem-se a…

Ler mais

Ranking de Competitividade: A importância de políticas públicas baseadas em dados e evidências

por Inteligência Técnica

1. INTRODUÇÃO Dados e evidências são insumos essenciais para um melhor aproveitamento do ciclo de políticas públicas, pois estes guiam a ação governamental e permitem a comparação em diversos aspectos…

Ler mais

Experiência Internacional na Finlândia e Estônia

por gabriel.diniz

A turma 7 do MLG - Master em Liderança e Gestão Pública embarcou para a Finlândia e Estônia, em agosto de 2022, para uma missão internacional que promoveu um mergulho…

Ler mais
o-estado-de-bem-estar-social-as-tres-economias-do-welfare-state

O Estado de Bem-Estar Social: As três economias do Welfare State

por Ruan dos Santos Ferreira

O Estado é provedor de proteção social para a população, contudo, ele também as estratifica, a partir do momento que as pessoas precisam de amparo do Governo e submetem-se a…

Ler mais

Junte-se ao CLP

Escreva seu email e receba nossa newsletter


    Siga o CLP

    Siga nossas redes sociais e fique informado