Marcadores Sociais: o conceito na construção de políticas públicas
27/10/2021
Gestão Pública.

Marcadores Sociais: o conceito na construção de políticas públicas

Sabe aquela marca de nascença, aquela marca de um belo tombo que a gente teve na infância? Bom, nesse artigo a gente não vai tratar sobre elas, mesmo que o título possa ser sugestivo, vamos tratar de algo mais profundo: os Marcadores Sociais. Nascemos, vivemos e crescemos em um país marcado por diversidade de culturas, religiões e diferentes maneiras de ser no mundo. Porém, muitas vezes, essas características são vistas como uma forma de classificação e hierarquização de pessoas, e quando não encaradas como diferenças que tornam qualquer ambiente mais rico e plural, acabam por colaborar na  reprodução de desigualdades. 

Os Marcadores Sociais são definidos por características diversas que compõem cada indivíduo, como: gênero,  região, religião, cor de pele, etnia, entre muitas outras. Muitas vezes esses marcadores, quando não tratados e  analisados de forma mais profunda podem fazer com que reproduzimos desigualdades, estereótipos e pré-conceitos, muitas vezes “naturalizando-os”. Isso dificulta um olhar mais amplo sobre as diferentes pessoas e suas diferentes  realidades da maneira que elas necessitam ser olhadas. 


O que são marcadores sociais?

O conceito que tratamos como “Marcadores Sociais” possui conexão com  entendimentos relacionados à desigualdade, já que os grupos que são  atravessados por algum marcador social, tendem a se localizar em situação  desigual perante os grupos que não carregam nenhum marcador da diferença. Importante frisar que esses marcadores muitas vezes não aparecem de forma  isolada e sim de formas interseccionais. Eis agora um outro conceito que  colabora a visualizar os marcadores sociais em sua amplitude: a interseccionalidade. 


Interseccionalidade e marcadores sociais

A interseccionalidade diz respeito às múltiplas manifestações de marcadores sociais e de características construídas e estruturadas socialmente que determinam a posição, oportunidades e possibilidades aos indivíduos. Percebe a relação entre eles? Uma pessoa pode estar submetida por diferentes marcadores, por exemplo: Uma mulher negra, residente de uma região periférica, aqui observamos os marcadores de: gênero, etnia, e região por exemplo, ambos constituintes de uma única pessoa e que podem definir os locais que essa mulher ocupa e/ou possibilidade de acesso a oportunidades e ambientes.

Os marcadores na construção de políticas públicas

Políticas Públicas em seu sentido estrito significa um conjunto de ações articuladas, programas, projetos e decisões tomadas pelos diferentes níveis de governo para garantir direitos para as pessoas em seus diferentes grupos e composições. Em outro sentido, é o que o governo decide ou não fazer em virtude de alguma problemática identificada ou percebida.

É nesse sentido que os marcadores sociais entram, por vezes é importante olhar para as subjetividades, necessidades e realidades específicas de cada grupo. Para que isso seja feito de forma efetiva é preciso que os gestores tenham em vista tais marcadores, e quando possível analisar as especificidades das necessidades de cada grupo para qual a política se destina.


Como praticar o entendimento sobre os marcadores?

Até aqui deu para entender um pouquinho sobre os marcadores sociais, não é mesmo? Mas, por onde começar a colocar em prática um trabalho articulado que leve em consideração os marcadores sociais da diferença na construção de políticas públicas?

Uma boa dica, é começar a entender a realidade onde você atua, a prática simples de “olhar ao meu redor”. Alinhado a isso, outra dica é verificar se no seu município possuem conselhos intersetoriais representativos comprometidos a olhar para as especificidades de cada grupo minorizado socialmente, por exemplo: Conselho dos idosos, Conselho da igualdade e equidade racial, Conselho dos direitos das mulheres, Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Pessoa Portadora de Deficiência, entre outros. Isso porque, a atuação desses conselhos possui relação direta na defesa e construção de ações práticas focadas nas especificidades de cada grupo, sendo também um instrumento de participação e controle social sobre as políticas públicas que serão construídas.

Podcast Coisa Pública: Como a participação popular contribui para a entrega de melhores serviços públicos?

Percebeu que a prática de olhar a nosso redor e verificar a existência de representatividade das pautas de grupos que são atravessados por algum marcador social é importante? A gente começa identificando, dialogando e após esse processo é importante partir para a ação, não de forma isolada e desarticulada, mas sim, de maneira conjunta com as pessoas, pois só isso garantirá eficiência e efetividade na construção de ações direcionadas e atreladas às necessidades de cada grupo.

E aí, gostou do artigo? Conhece iniciativas do poder público que discuta a relevância do entendimento sobre os marcadores para construir políticas públicas? Conta para a gente nos comentários!

Compartilhe esse artigo


Aline Miranda é mineira, estudante do curso de Administração Pública na Universidade Federal de Lavras, também é estagiária na B4People Cultura Inclusiva. Apaixonada pelo campo de públicas e em trabalhar com pessoas, buscando sempre desenvolver e aprender com todas as experiências.

Notícias Relacionadas

como-o-poder-publico-age-pelas-mulheres-encarcerada-no-brasil

Como o poder público age pelas mulheres encarcerada no Brasil?

por Aline Miranda

Estariam as prisões obsoletas? A frase que inaugura esse artigo é título de um livro da intelectual e ativista Angela Davis que traz um questionamento importante sobre a condição dos…

Ler mais
politicas-publicas-para-a-inclusao-de-pessoas-com-deficiencia

Políticas públicas para a inclusão de pessoas com deficiência

por Camila Cruz

Neste artigo, indicaremos iniciativas existentes nos governos que apoiam ou criam condições para a inclusão de pessoas com deficiência (PCD), como forma de destacar boas práticas, que podem e devem…

Ler mais
aplicacao-de-metodologias-ageis-na-gestao-publica-o-metodo-kanban

Aplicação de metodologias ágeis na Gestão Pública: o método Kanban

por Nathalia Leone Marco

A gestão de projetos merece uma atenção especial quando voltada à gestão pública, em virtude da complexidade de sua aplicação e do impacto que gera na vida da população. Traremos,…

Ler mais
como-o-poder-publico-age-pelas-mulheres-encarcerada-no-brasil

Como o poder público age pelas mulheres encarcerada no Brasil?

por Aline Miranda

Estariam as prisões obsoletas? A frase que inaugura esse artigo é título de um livro da intelectual e ativista Angela Davis que traz um questionamento importante sobre a condição dos…

Ler mais
politicas-publicas-para-a-inclusao-de-pessoas-com-deficiencia

Políticas públicas para a inclusão de pessoas com deficiência

por Camila Cruz

Neste artigo, indicaremos iniciativas existentes nos governos que apoiam ou criam condições para a inclusão de pessoas com deficiência (PCD), como forma de destacar boas práticas, que podem e devem…

Ler mais
aplicacao-de-metodologias-ageis-na-gestao-publica-o-metodo-kanban

Aplicação de metodologias ágeis na Gestão Pública: o método Kanban

por Nathalia Leone Marco

A gestão de projetos merece uma atenção especial quando voltada à gestão pública, em virtude da complexidade de sua aplicação e do impacto que gera na vida da população. Traremos,…

Ler mais

Junte-se ao CLP

Escreva seu email e receba nossa newsletter


    Siga o CLP

    Siga nossas redes sociais e fique informado