Diversidade na política: Como apoiar ao definir os rumos do país?
29/06/2022
Geral.

Diversidade na política: Como apoiar e modificar o perfil ao definir os rumos do país?

Quando tratamos sobre o assunto da Diversidade no setor público, muitos questionamentos podem ser acionados e muitas dúvidas também: Afinal, como contemplar a diversidade na política e no setor público? Como fazer a diversidade compor o time de profissionais que atuarão diretamente na construção de políticas públicas para a sociedade?

Por incrível que pareça a resposta é muito simples, porém pouco óbvia e a gente precisa falar dela em todos os espaços de debates que podemos ocupar: Vivemos, crescemos e nos desenvolvemos em uma sociedade que é histórica e socialmente diversa. O que acontece é que na história do nosso país, infelizmente houve uma tentativa de apagar essa diversidade, já que ela não faz parte de um padrão que é socialmente aceito. 


A diversidade na política brasileira

Então, por onde começar a incluir a diversidade? Bom, vamos falar de um assunto importante em 2022: As eleições. Pensando nas eleições é importante considerar que esse ano, importantes posições no cenário político serão ocupadas: Presidência, Deputado Federal e Estadual, Senador e Governador. Esses cargos, são notadamente decisórios para que políticas sejam aprovadas, e daí a importância na ocupação dessas posições estar diretamente refletida na composição das pessoas que compõem nosso país.

Para termos uma ideia vamos falar dos números:

Quando aprofundamos o recorte interseccional a discrepância de dados aparece ainda mais, vejamos:


Consequências da falta de diversidade na política


Em um país diverso com o Brasil, não ter essa diversidade representada em cargos políticos é um verdadeiro problema. O primeiro deles é que a falta de representatividade muitas vezes impede que políticas e ações públicas sejam criadas para algum grupo em específico, e no Brasil temos alguns exemplos: A população LGBTQIAP+ não possui nenhuma política pública a nível federal aprovada até hoje, mulheres negras e a população jovem negra e periférica na maior parte da história sempre compôs estatísticas desfavoráveis em dados relacionados à vulnerabilidade social, e mesmo assim, nenhuma ação ou política pública focada foi criada e/ou aprovada para minimizar esses impactos. Logo, sem pessoas diversas ocupando esses espaços, ou espaços decisórios, como é o caso do Senado e da Câmara Federal, é provável que as políticas públicas não sejam propostas ou efetivas, uma vez que as desigualdades estão acometidas nos grupos sub representados em espaços de participação política.


O que fazer para mudar esse cenário? 

Como pessoas eleitoras e conscientes da importância desses cargos e da necessidade de a diversidade permear a composição política do nosso país, é preciso atuarmos como agentes de transformação, começando por nós: O primeiro ponto é entender que seu voto faz diferença e pode sim decidir o futuro do país, o outro ponto é tentar sair da bolha e procurar entender e saber mais sobre os planos de ações de pessoas candidatas que possuem algum marcador social. Existe algum viés que te impede de entender essas candidaturas e a importância delas?

Depois de conhecer esses planos de ação e tomar consciência do seu poder de influência, é importante atuar como apoiador(a) dessas candidaturas (não precisa sair por aí distribuindo santinhos) converse com parentes, colegas e amigos do seu convívio sobre a importância da diversidade nas eleições, ouça, compreenda e debata a respeito.

Com tudo isso, a mensagem é simples: Você não precisa ser uma pessoa que carrega algum marcador social da diferença para provocar transformações, principalmente no campo público e político. Pelas palavras de Viola Davis, tudo que precisamos fazer é mover as pessoas só um pouquinho para mudanças acontecerem, não precisamos ser algo enorme. Por isso, o que podemos e devemos fazer é ter consciência que enquanto sociedade e cidadãos precisamos nos atentar às desigualdades existentes e colaborar para que a justiça social seja realidade, e por mais difícil que pareça ela está atrelada aos lugares ocupados em instituições que por vezes definem o rumo do nosso país e das pessoas.

Bora fazer a diferença?! Vote consciente.

Compartilhe esse artigo


Aline Miranda é mineira, estudante do curso de Administração Pública na Universidade Federal de Lavras, também é estagiária na B4People Cultura Inclusiva. Apaixonada pelo campo de públicas e em trabalhar com pessoas, buscando sempre desenvolver e aprender com todas as experiências.

Notícias Relacionadas

Experiência Internacional na Finlândia e Estônia

por gabriel.diniz

A turma 7 do MLG - Master em Liderança e Gestão Pública embarcou para a Finlândia e Estônia, em agosto de 2022, para uma missão internacional que promoveu um mergulho…

Ler mais
o-estado-de-bem-estar-social-as-tres-economias-do-welfare-state

O Estado de Bem-Estar Social: As três economias do Welfare State

por Ruan dos Santos Ferreira

O Estado é provedor de proteção social para a população, contudo, ele também as estratifica, a partir do momento que as pessoas precisam de amparo do Governo e submetem-se a…

Ler mais
mlg-6-na-blavatnik-school-of-government

MLG 6 na Blavatnik School of Government

por gabriel.diniz

Líderes públicos embarcaram para uma Missão Internacional na cidade de Oxford. Entre 11 e 15 de julho aconteceu a Experiência Internacional da turma 6 do Master em Liderança e Gestão…

Ler mais

Experiência Internacional na Finlândia e Estônia

por gabriel.diniz

A turma 7 do MLG - Master em Liderança e Gestão Pública embarcou para a Finlândia e Estônia, em agosto de 2022, para uma missão internacional que promoveu um mergulho…

Ler mais
o-estado-de-bem-estar-social-as-tres-economias-do-welfare-state

O Estado de Bem-Estar Social: As três economias do Welfare State

por Ruan dos Santos Ferreira

O Estado é provedor de proteção social para a população, contudo, ele também as estratifica, a partir do momento que as pessoas precisam de amparo do Governo e submetem-se a…

Ler mais
mlg-6-na-blavatnik-school-of-government

MLG 6 na Blavatnik School of Government

por gabriel.diniz

Líderes públicos embarcaram para uma Missão Internacional na cidade de Oxford. Entre 11 e 15 de julho aconteceu a Experiência Internacional da turma 6 do Master em Liderança e Gestão…

Ler mais

Junte-se ao CLP

Escreva seu email e receba nossa newsletter


    Siga o CLP

    Siga nossas redes sociais e fique informado