14/12/2020
Gestão Pública.

A primeira infância como prioridade nas políticas públicas: a formação de gestores comprometidos com a pauta

A primeira infância como prioridade nas políticas públicas

Se mudarmos o começo da história, mudamos a história toda – sintetiza Raffi Cavoukian no documentário “O Começo da Vida”, de Estela Renner. Esta é a razão da mais recente iniciativa do Centro de Liderança Pública, em parceria com a Fundação Maria Cecília Souto Vidigal: a criação da Rede de Apoio à Primeira Infância, composta por profissionais formados e em formação no Master em Liderança e Gestão Pública, curso de pós-graduação cujo foco é a melhoria do serviço público brasileiro. Esta Rede quer ajudar a mudar o começo da história.

Existem evidências científicas suficientes para justificar a atenção à primeira infância, período que vai do nascimento aos 6 anos de idade. As experiências vividas nesta fase, positivas ou negativas, são levadas para a vida toda e terão efeito sobre o aprendizado, o comportamento e a saúde das crianças até sua vida adulta. Segundo Andrew Meltzoff, psicólogo americano e codiretor do Institute of Learning and Brain Sciences da Universidade de Washington (EUA), os seres humanos aprendem mais – e mais rápido – da gestação aos três anos do que em todo o resto de suas vidas.

Nessa fase são formadas as bases de aprendizado que serão utilizadas durante toda a vida, daí ela ser considerada uma ‘janela de oportunidades’. Frequentar boas creches e pré-escolas, por exemplo, melhora o desempenho escolar futuro, acelera a capacidade cognitiva, aumenta o QI e estimula o comportamento social das crianças. Quando recebem educação de qualidade desde os primeiros anos, elas também costumam apresentar índices menores de hipertensão, doenças cardíacas e obesidade ao longo da vida.

 

Os investimentos de longo prazo na primeira infância

 

Pesquisas apresentadas no documento Como investir na Primeira Infância: um guia para a discussão de políticas e a preparação de projetos de desenvolvimento da primeira infância, do Banco Mundial, demonstram que o desenvolvimento adequado das crianças nos primeiros anos – o que inclui acesso à saúde, a um ambiente equilibrado e a um conjunto de interações positivas com seus cuidadores – traz benefícios como menores chances de consumo de álcool e cigarro na adolescência, menores riscos de envolvimento no crime, melhores empregos e maiores salários na vida adulta.

Portanto, oferecer condições favoráveis ao desenvolvimento infantil nos primeiros anos de vida é mais eficaz e gera menos custos do que tentar reverter ou minimizar os problemas mais tarde, como demonstrou o economista James Heckman, vencedor do Nobel em 2000, com a teoria de que para cada dólar investido na primeira infância, há um retorno de 7 dólares na vida adulta.

Em longo prazo, investir na primeira infância é o melhor caminho para diminuir as desigualdades sociais e interromper o ciclo de pobreza das famílias brasileiras.

Se é fato que todo mundo deveria saber disso, os gestores têm o dever não apenas de saber, mas de priorizar a primeira infância na formulação e implementação das diferentes políticas públicas em que atuam. Vale lembrar que o Brasil aprovou, em 2016, o Marco Legal da Primeira Infância, que apresenta diretrizes para essas políticas públicas, estimulando a articulação dos diferentes setores e esferas dos governos para que tenham uma ação conjunta.

 

Qual o cenário da primeira infância no Brasil?

 

Em outubro, a Rede Nacional Primeira Infância (RNPI) e a Agência de Notícias dos Direitos da Infância (ANDI) lançaram o OBSERVA – Observatório do Marco Legal da Primeira Infância, uma das ferramentas mais completas para o monitoramento das políticas públicas para as crianças de 0 a 6 anos no país, com dados sobre a primeira infância para os 5.570 municípios brasileiros, com foco nas áreas de Assistência Social, Educação e Saúde.

O cenário é de intensa desigualdade na oferta de atendimento à infância, por exemplo na oferta de creche: a média estimada de crianças atendidas é de 29,6% – o que equivale a cerca de 3,5 milhões de crianças fora da creche, com o agravante de que as famílias mais carentes são as que têm menos acesso: 22,4 % carentes e 51,2 % mais ricas, segundo o IBGE.

A boa notícia é que existem iniciativas de sucesso em todas as esferas de governo. E existe o suporte valioso de organizações não governamentais profundamente comprometidas com a causa, que têm sido essenciais na implementação de políticas públicas no país, como o Instituto Alana, a Fundação Bernard van Leer e a Fundação Maria Cecília Souto Vidigal – que lançou recentemente uma plataforma nacional com diretrizes prioritárias para a concretização da agenda para a primeira infância, com recomendações de como inclui-las nos planos de governo.
Isso significa que há muito a fazer, sim, mas também que já existe um rumo, que já sabemos o que deve ser feito e que estamos em boa companhia.

 

O que a Rede do MLG vai fazer?

 

A Rede de Apoio à Primeira Infância reúne os líderes que já atuam ou pretendem atuar na área. São 28 servidores que atuarão a partir de agora, com o apoio da Fundação Maria Cecília Souto Vidigal, para:

 

Com isso, a Rede espera reforçar o time que atua pela primeira infância no país, ajudando a garantir direitos e promover as melhores e mais belas vivências para as crianças brasileiras.

 

Políticas públicas para a primeira infância reconquistar espaços urbanos

Sylvia Angelini é arquiteta e urbanista, com graduação e mestrado pela USP. Servidora pública na Prefeitura de Jundiaí desde 2004. Diretora de Urbanismo desde 2017 e líder MLG pelo Master em Liderança e Gestão Pública. Finalista no 2° Prêmio de Liderança Pública com a Política Pública da Criança na Cidade (2019).

Compartilhe esse artigo


Natália Almeida Leite é jornalista formada pela FCL - Faculdade Cásper Líbero, com experiência em assessoria de imprensa, redação, marketing digital e audiovisual. Atua na Comunicação do Centro de Liderança Pública no cargo de Analista Júnior, e é responsável pelo Podcast Coisa Pública.

Notícias Relacionadas

13-de-maio-falsa-abolicao-desigualdade-e-o-trabalho-escravo-contemporaneo-no-brasil

13 de Maio: falsa abolição, desigualdade, e o trabalho escravo contemporâneo no Brasil

por Rede MLG

A data de 13 de Maio de 1888 já há alguns anos não tem sido uma lembrança comemorativa para a população negra. O motivo disso é que, da maneira como…

Ler mais
smart-city-como-tornar-as-cidades-mais-ageis-e-plurais

Smart City: como tornar as cidades mais ágeis e plurais

por Matheus Henrique Rodrigues dos Santos

O termo Smart City (Cidade Inteligente), pode ser desconhecido mesmo para aqueles que se encontram inseridos no setor público, mas se trata de uma das principais tendências em projetos urbanos…

Ler mais
6-atitudes-para-combater-o-racismo-institucional-no-setor-publico

6 atitudes para combater o racismo institucional no setor público

por Rede MLG

O racismo, formalmente definido como o feito de discriminação baseado na crença da existência de uma hierarquia entre raças e etnias, é comumente confundido com o colorismo, movimento segundo o…

Ler mais
13-de-maio-falsa-abolicao-desigualdade-e-o-trabalho-escravo-contemporaneo-no-brasil

13 de Maio: falsa abolição, desigualdade, e o trabalho escravo contemporâneo no Brasil

por Rede MLG

A data de 13 de Maio de 1888 já há alguns anos não tem sido uma lembrança comemorativa para a população negra. O motivo disso é que, da maneira como…

Ler mais
smart-city-como-tornar-as-cidades-mais-ageis-e-plurais

Smart City: como tornar as cidades mais ágeis e plurais

por Matheus Henrique Rodrigues dos Santos

O termo Smart City (Cidade Inteligente), pode ser desconhecido mesmo para aqueles que se encontram inseridos no setor público, mas se trata de uma das principais tendências em projetos urbanos…

Ler mais
6-atitudes-para-combater-o-racismo-institucional-no-setor-publico

6 atitudes para combater o racismo institucional no setor público

por Rede MLG

O racismo, formalmente definido como o feito de discriminação baseado na crença da existência de uma hierarquia entre raças e etnias, é comumente confundido com o colorismo, movimento segundo o…

Ler mais

Junte-se ao CLP

Escreva seu email e receba nossa newsletter


    Siga o CLP

    Siga nossas redes sociais e fique informado